Crônicas, lifestyle, armário-cápsula, nerdices e vida na Bélgica.

Estilo, Filmes

Vestidos do Oscar, de 1929 a 1939

Como um “esquenta” para o Oscar que acontece no próximo domingo, veja em retrospectiva os vestidos usados pelas atrizes vencedoras da categoria Melhor Atriz. Neste link aqui é possível ver um infográfico com todos os vestidos que fizeram a história da premiação.

Através dessa retrospectiva dos vestidos do Oscar, é possível perceber a evolução do glamour do evento ao longo dos anos. Duvida? Então conheça os vestidos das vencedoras do Oscar de melhor atriz:

1929 – Janet Gaynor, pela atuação em Seventh Heaven e Street Angel.

1929-Janet-Gaynor

O modelito não era assinado por nenhum “modista” da época. O look usado quando a Academia de Cinema ainda não organizava um evento como o que conhecemos hoje em dia, era um tanto simples, se não infantilizado. Composto por saia, blusa e lenço sobre os ombros e peito, era finalizado por sapatos com meias. Um misto de colegial e escoteira. Simples demais para uma época em que as mulheres usavam muitos adereços e belos chapéus.

No entanto, nota-se que a premiação foi feita em uma ocasião bem informal, ela certamente deveria estar gravando.

Segue uma foto do que era moda nesta época:

moda em 1929 - Imaginação FértilCuriosidade: a primeira atriz a vencer o Oscar, na década de 50, insatisfeita com os papéis indicados para ela, comprou uma fazenda no Brasil (Goiás) e por lá vivou até os anos 60, quando retornou para a Califórnia.

1930 – Mary Pickford, pela atuação em Coquette

1930-Mary-Pickford

A atriz canadense já exibiu, em sua foto oficial, um vestido mais elaborado. Também de autor desconhecido, conta com alguns bordados e detalhes graciosos. O modelo é bem apropriado para a época, com alças, corte levemente mais ajustado ao corpo e com saia evasê a partir dos joelhos.

Curiosidade: os cabelos na altura da orelha ostentados por Mary nessa foto foram motivo de descontentamento por parte dos fãs da atriz. Ela era conhecida por seu cachos dourados, que eram símbolo de um movimento sobre a força feminina na época. A mudança radical foi noticiada com ênfase nos EUA e muitos ficaram chocados.

1930 – Norma Shearer, pela atuação em The Divorcee

1930-Norma-Shearer

A atriz vestiu um modelo de criador desconhecido, que consistia em blusa e saia, com cintura um pouco mais marcada. Destaque para o detalhe em pele no acabamento das mangas e na aplicação de flores na parte frontal. Norma também era canadense.

Curiosidade: o ano de 1930 contou com duas premiações da academia, uma para os filmes realizados em cada semestre do ano. Nesta ocasião, concorria com ela a diva Greta Garbo.

1931 – Marie Dressler, pela atuação em Min and Bill

1931-Marie-Dressler

O traje também de autor desconhecido era bem requintado. Composto por um vestido de alças e uma capa com tecido preto e pele branca, era bem adequado para atriz e para a época. Destaque para o bordado na parte frontal, com estilo que lembra muito a tendência que volta e meia reaparece do “vestido camisola”, ou slip dress.

Curiosidade: a também canadense Marie tinha pai austríaco. Sua estreia no cinema mudo foi aos 42, em 1910. Quando venceu o Oscar, concorrendo com as estrelas Marlene Dietrich e Norma Shearer, ela tinha 62 anos.

1932 – Helen Hayes, pela atuação em The Sin of Madelon Claudet

1932-Helen-Hayes-2

O modelo, também de criador desconhecido, já conta com um pouco do glamour da época. O vestido preto com cintura marcada e peplum tinha uma manga com alça, coberta com flores e outra mais caidinha, conferindo um extra. Destaque para as luvas brancas (olha só de quem Amal Clooney pode ter copiado a ideia!) e um delicado colar.

Curiosidade: a primeira americana a receber o Oscar de Melhor Atriz é também uma das 9 pessoas no mundo a ter recebido os principais prêmios da indústria de entretenimento dos EUA. Além do Oscar, Helen recebeu o Emmy, o Grammy e o Tony. O filme que lhe rendeu o Oscar foi sua estréia no cinema.

1933 – Academia não realizou premiação.

1934 – Katharine Hepburn, pela atuação em Morning Glory

A atriz optou por não participar da cerimônia de entrega do Oscar.

1935 – Claudette Colbert, pela atuação em It Happened Ine Night

1935-Claudette-Colbert-Travis Banton

Com look elaborado pelo designer oficial da Paramount Pictures, Travis Banton, a atriz vestiu para a cerimônia um conjunto de saia blazer, com camisa de seda e um luxuoso casaco de pelo nos braços. Uma representação perfeita do que era considerado mais elegante para época, em ocasiões como esta que ainda não tinham longos exuberantes como protagonistas da premiação.

O designer foi o responsável por vestir a grande maioria das estrelas de Hollywood nos anos 30 e 40, sendo o responsável pelo estilo, elegância e glamour que suas imagens imprimiam ao mundo.

Curiosidade: Claudete nasceu na França e foi criada nos EUA. Ela acreditava que seu melhor ângulo era o esquerdo e dificilmente se deixava fotografar ou filmar pelo lado direito do rosto. Morreu em Barbados, onde vivia aposentada, aos 92 anos.

1936 – Bette Davis, pela atuação em Dangerous

Bette Davis at the 1935 (8th) Academy Awards banquet.

O modelito usado pela diva Bette Davis não é dos melhores. O primeiro estampado a figurar na lista de vestidos das vencedoras do Oscar tinha um detalhe estranho: duas golas. De criador desconhecido.

Curiosidade: atriz polêmica, Bette Davis faleceu na Europa, onde estava para receber uma homenagem, Na sua lápide foi escrito “Ela fez isso da maneira mais difícil.”, em referência aos problemas pessoais e profissionais por que passou em vida.

1937 – Luise Rainer, pela atuação em The Great Ziegfeld

1937-Luise-Rainer

 

Mesmo com um casaco de peles sobre o vestido, percebe-se um investimento maior na produção para a premiação. Toda vestida de branco, o vestido longo e branco de Luise para seu primeiro Oscar tinha gola mais fechada e lapela de blazer. Bem diferente, com uma intensão mais fashionista, se assim podemos dizer. Criador desconhecido.

Curiosidade: nascida na Alemanha e criada na Áustria, a atriz ficou conhecida em Hollywood por seu talento dramático. Ela faleceu em 30 de dezembro de 2014, aos 104 anos, em Londres.

1938 – Luise Rainer, pela atuação em The Good Earth

1938-Luise-Rainer

Para a sua segunda premiação da Academia, Luise usou um vestido que pode ser considerado atemporal. Liso, de caimento justo, tem na gola levemente alta e nas mangas bufantes o seu principal destaque. O modelo, que bem poderia fazer parte de alguma cerimônia dos anos 70 (ou 80, ou 90 e até nos anos 2000!). Simples e diferente, o primeiro que realmente merece atenção dos desfilados até o momento no Oscar. Vestido de criador desconhecido.

1939 – Bette Davis, por Jezebel

1939-Bette-Davis

 

O segundo Oscar de Bette Davis foi recebido com exuberância: o vestido preto de autor desconhecido tinha como destaque o enfeite de plumas na parte frontal. Similar a asas, a aplicação era um tanto quanto estranha. Tinha corte ajustado na cintura e saia ampla. No detalhe abaixo, percebe-se que era um tomara que caia no formato de coração, revestido de tule e renda.

1939_bette_davis

One thought on “Vestidos do Oscar, de 1929 a 1939

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.