Cronista da vida, das coisas e do mundo. Cultura, moda e arte.

Livros

Pausa para ler 1984 de George Orwell

Fato pitoresco ocorrido hoje em Bruxelas soou como um sinal de que minha próxima leitura precisa ser 1984 de George Orwell.

Se vocês bem repararem, os posts crônica da serie Cura pelos Clássicos de Ficção tem apresentado, até o momento, uma alternância entre livros nacionais e estrangeiros. Ok, sei que a serie está apenas começando (e posso fazer isso para o resto da minha vida que nunca terá fim), mas pelo menos na minha mente, era bem esta a ideia.

Até o momento escrevi apenas sobre livros que já li, embora tenha clássicos incontestáveis na minha programação que ainda carecem de leitura completa. E também porque ler constantemente faz parte do ser escritor. E 1984 de George Orwell não seria meu próximo post, uma vez que ainda não o li por completo.

Mas uma notícia que li agora pouco fez ele passar a frente na fila dos que estou planejando ler. Não sei o quanto já falei aqui sobre Bruxelas e a vida na Bélgica, mas este país cujo povo já foi detestado por Baudelaire tem suas muitas peculiaridades. E uma delas é a forma como reagem aos fatos.

E como se a pandemia tivesse começado ontem, hoje dois outdoors eletrônicos da capital belga foram hackeados. Ao invés de exibirem as habituais propagandas, mostravam uma clara referência ao conteúdo do livro 1984 de George Orwell. Entre os conteúdos, frases como “1984 é 2020. O tempo vai trazer à luz o que está escondido até agora”.

1984 de George Orwell, um dos livros mais vendidos de 2020

Não foi à toa que este livro foi um dos mais vendidos neste ano. O que torna esta leitura mais urgente que a minha atual (mas não menos importante). E é até meio assustador pensar que um livro escrito logo após o fim da Primeira Guerra Mundial diga tanto sobre a nossa vida neste ano, a ponto de tornar-se uma referência.

Talvez por pular esta leitura para a frente dos meus planos de crônicas, o próximo texto possa demorar um pouco. Espero, ao menos, que este seja um livro de digestão mais moderada do que Cem anos de solidão.

Para quem quiser ver a notícia que mencionei acima (e treinar seu francês), segue o link do jornal Le Soir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.