Crônicas, lifestyle, armário-cápsula, nerdices e vida na Bélgica.

Geral

Mote

Sabe aquela velha história…dê-me uma palavra e eu faço um verso?  

Eis a origem deste poema. Normalmente, não gosto dos que escrevo, pretensamente querendo poetizar a vida…mas esse me conquistou, logo ao nascer. Diria que ficou simpático…mas, tirem as suas próprias conclusões…

Mote

Sinceridade
Matéria de que foram feitos teus olhos. E neles me perdi, talvez por achar que não sou digna de tua leveza.

Peso
Talvez minha consciência seja chumbo e tu sirvas para que isto se consuma de minha mente. Consegues fazer com que o passado seja imbecil.

Culpa
Por não saber amar como mereces, por não dar o carinho que lhe devo. Aprendo aos poucos, contigo, o quanto o mundo é ignorante.

Prática
Coloco na vida real o que no papel sei muito bem. Mas é difícil, existe medo. Medo que dissipas com um sorriso. Ou vários.

Beleza
Vejo na tua presença iluminada. Que agrada a todos, sem comparação. Capaz de me provocar as músicas mais lindas do mundo.

Escrava
Assim me tens, quando quiseres, pois assim mereces. Como o mais digno dos reis que já governaram a extensão de minha alma. E assim me curvo porque sei que jamais me seria torpe.

Abraço
Condenação cruel não poder te tocar a todo instante. Na companhia do teu doce sorriso, inebriante. Ou com alto teor de alcoolismo. Deito, para que o sentimento invada todo o corpo.

Sonhos
Estou procurando não tê-los. Realidade dói menos. Na verdade, não existe medo, e sim preocupação. Extrema, em agir com pés no chão. Mas uma vontade enorme de fazer loucuras, de sair do sério, virar a vida de cabeça para baixo. Apenas para ver tudo de um ângulo diferente.

Suspiro
É minha consolação. Imagino teu rosto bem próximo de um beijo. A presença imaginária é quase real e absurda. E acaba com um sorriso de saudade meu.

Distância
Impossível não sentí-la. Mas é muito mais física do que psicológica. Queria matá-la com, um passo e um abraço. E acabo sempre voltando às palavras. E estas por vezes engasgam.

Mudanças
Nada é estático. Nem sentimentos, muito menos corpos. Hoje aqui, amanhã, só Deus sabe. Eis o colorido desta vida breve, mas que me encontras feliz, tranqüila e serena por ti.

Nina

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.