Cronista da vida, das coisas e do mundo. Cultura, moda e arte.

Música

Morning Glory do Oasis e o que eu sinto quando escuto certas músicas

Disco (What’s the Story) Morning Glory? do Oasis celebra hoje, 02/10/20 25 anos!

Sim, vou falar de música velha e se não gosta, volte ao post anterior. Mas não volte muito no passado deste Imaginação Fértil, pois vai descobrir que este blog que aqui vos tem firmou-se solidamente (a ponto de ter textos impressos em revista!), falando de música. E hoje o faço especialmente por ser aniversário de 25 anos do álbum que me fez querer ouvir Oasis: (What’s the Story) Morning Glory?.

Claro que ando km’s longe de ser super fã da banda, mas Morning Glory é a canção que retrata como ninguém minha relação com as músicas que gosto. E assim temos uma crônica (breve, juro!) onde tento explicar o que eu sinto quando ouço uma música que amo (e o que me faz gostar dela).

O fato é que ouvi Morning Glory pela primeira vez em uma viagem a caminho do Uruguai. Não foi uma escolha minha colocar Oasis na trilha sonora, mas quando se tem tantas horas de estrada pela frente, acho interessante tentar ouvir algumas músicas novas.

De súbito, quando descubro uma melodia que prende minha atenção, quero ouvir por inúmeras vezes. Para muitos isso pode ser chato, mas eu sempre quero ouvir de novo e de novo, para replicar a sensação que tive quando a ouvi pela primeira vez. Notem que prestar atenção no que a música está dizendo, aqui acaba sendo secundário.

Penso que na época eu ainda não era capaz de racionalizar o que acontece exatamente. Mas como ultimamente ando descobrindo tantas músicas novas (e sentindo o que sinto toda vez que escuto essa música do Oasis), que talvez possa finalmente colocar este sentimento em palavras.

Se bem que é mais uma reação física do que sentimental. Pois é como se sofresse uma descarga de adrenalina, meu coração tenta pulsar no ritmo da batida da música, o cérebro produz uma quantidade insana de imagens que mal consigo processar. E o corpo quer sair chacoalhando, mesmo tendo plena consciência de que sou péssima dançando.

Mas como eu não sou obrigada a ficar sofrendo essa aceleração toda sozinha, eu termino, deixando vocês com essa apresentação maravilhosa e ao vivo de Morning Glory.

P.S.: eu disse que ia ser breve, não disse?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.