Cronista da vida, das coisas e do mundo. Lifestyle, um pouco de tudo.

Livros

Mitologia #7: Afrodite (Vênus)

Biografia da deusa da beleza e do amor, Afrodite é conhecida pelos romanos como Vênus.

Vênus de Milo, Museu do Louvre, Paris.

A Deusa Vênus (para os romanos), Afrodite na mitologia grega, é provavelmente um dos seres mais conhecidos do panteão olímpico. Esposa de Hefesto, Deus que retratei na última postagem, é a deusa olímpica do amor, da beleza, do prazer sexual e da fertilidade. E bem por isso, é muito conhecida por sua intensa vida amorosa e origem controversa.

O nascimento de Vênus, Sandro Botticelli.

É uma das deusas mais retratadas em obras de arte, pinturas e esculturas, sendo “O Nascimento de Vênus” de Sandro Botticelli uma das pinturas mais famosas da Idade Média. Nas fotos, imagens das ruínas de Afrodísias, cidade grega construída onde hoje é a cidade de Geyre na Turquia, e que foi batizada em honra a deusa do amor.

Embora destaca-se a bem preservada antiga porta de entrada da cidade, é neste local que encontram-se os resquícios do que já foi um templo dedicado a Afrodite (e, posteriormente, uma basílica cristã) que atrai muitos visitantes ao local. Isso porque os escultores de Afrodísias tornaram-se famosíssimos e a escola de escultura era muito produtiva; muitos dos seus trabalhos podem ser vistos no local e no museu.

— — —

Mitologia #7: Afrodite (Vênus)

O nome de Afrodite geralmente está ligado à palavra grega antiga para “espuma do mar”, aphros , que se encaixa perfeitamente na história de seu nascimento. No entanto, os estudiosos modernos pensam que tanto Afrodite quanto seu nome são anteriores à Grécia Antiga e que a história realmente surgiu por causa do nome da deusa.

Simbologia

Se Apolo representava o ideal do corpo masculino perfeito para os gregos, Afrodite certamente era sua contraparte feminina mais apropriada. Linda e encantadora, ela era frequentemente retratada nua, como uma donzela simetricamente perfeita, infinitamente desejável e fora de alcance. Ela às vezes era representada ao lado de Eros e com alguns de seus principais atributos e símbolos: um cinto mágico e uma concha, uma pomba ou um pardal, rosas e murtas.

Epítetos de Afrodite

Adorado por basicamente todos, Afrodite, “Aquela que se ergue do mar” foi apropriadamente chamada de Pandemos , “de todo o povo”. No entanto, ela também era chamada de Ourania ou “celestial”, então alguns moralistas gregos tentaram fazer uma distinção entre essas duas Afrodites, alegando que Afrodite Pandemos é a deusa do desejo sexual e Afrodite Ourania, a do “amor platônico”. Agora sabemos que esta era a mesma deusa, chamada também por vários outros epítetos contraditórios, que muitas vezes descrevem a natureza complexa do amor: “amante do sorriso”, “misericordiosa” e “Aquela que adia a velhice”, mas também “profano”, “o escuro”, “a assassina de homens”.

Nascimento de Afrodite

Homero e Hesíodo contam duas histórias diferentes sobre a origem de Afrodite.

Segundo o primeiro, Afrodite era filha de Zeus e da Titã Diona, tornando-se assim uma deusa de segunda geração, muito parecida com a maioria dos outros deuses olímpicos.

No entanto, Hesíodo reconta o mito muito mais famoso. Segundo ele, Afrodite nasceu quando os genitais de Urano caíram no mar depois que ele foi castrado por seu filho Cronos. A deusa do amor emergiu das águas em uma concha de vieira, totalmente crescida, nua e mais bonita do que qualquer coisa que alguém já tinha visto antes ou depois.

O poder de Afrodite

Afrodite era tão adorável que apenas as três deusas virgens – Ártemis, Atena e Héstia – eram imunes a seus encantos e poder de sedução. Sem surpresa, no instante em que entrou no Olimpo, ela inadvertidamente causou estragos entre os outros deuses, pois cada um dos quais instantaneamente queria tê-la para si. Para evitar isso, Zeus a casou às pressas com Hefesto, considerado o mais feio entre os olímpicos. Claro, isso apenas aliviou o problema: Afrodite não planejava permanecer fiel.

Então, ela começou um caso com alguém tão destrutivo e violento quanto ela: Ares. Hélio, no entanto, os viu e informou Hefesto, após o que o deus traído fez questão de criar uma bela rede de bronze, que enlaçou o casal na próxima vez que se deitassem juntos na cama. Para adicionar insulto à injúria, Hefesto convocou todos os outros deuses a rirem dos adúlteros e os libertou somente depois que Poseidon concordou em pagar por sua libertação.

Mas ele não sabia que quando Poseidon viu Afrodite nua, se apaixonou por ela novamente. Ele deve ter descoberto mais tarde, já que ela deu a Poseidon pelo menos uma filha, Rhode. E ela também não desistiu de Ares! De fato, após o escândalo da rede de bronze, ela deu à luz a oito filhos com o deus da guerra: Deimos, Phobos, Harmonia, Adrestia e os quatro Erotes (Eros, Anteros, Pothos e Himeros).

O deus Hermes não teve muitas consortes, mas teve Afrodite pelo menos uma vez, como o próprio nome de sua prole, Hermafroditas, sugere. E se levarmos em conta que Príapo costuma ser considerado filho de Dionísio e Afrodite, parece que apenas Zeus e Hades nunca sucumbiram aos encantos da deusa do amor. Mas o segundo nem morava no Olimpo, e o primeiro pode ter sido seu pai.

Quando ela não estava ocupada fazendo outras pessoas se apaixonarem, Afrodite tinha algum tempo para se apaixonar. Certa vez, ela levou um bebê que havia encontrado ao lado de uma árvore de mirra para o Mundo Inferior e pediu a Perséfone que cuidasse bem dele. No entanto, quando ela foi visitá-lo depois de muitos anos, instantaneamente se apaixonou pelo mortal que agora era extraordinariamente bonito. 

Então, ela pediu para ter Adonis, pois esse era o nome do menino, de volta. Perséfone não aceitou e Zeus resolveu a briga dividindo o tempo de Adonis entre as duas deusas. No entanto, ele preferia Afrodite e, quando chegou o momento de voltar, ele não queria voltar para o submundo. Perséfone enviou um javali para matá-lo, e Adonis sangrou até a morte nos braços de Afrodite. Anêmonas surgiram das lágrimas de Afrodite enquanto ela estava de luto pela morte de seu amante. O casal teve dois filhos: Beroe e Golgos.

Em outra ocasião, Afrodite se apaixonou por um príncipe troiano chamado Anquises. Fingindo ser uma princesa, ela o seduziu e dormiu com ele. Só depois ela se revelou, prometendo-lhe um filho nobre e avisando-o para guardar o caso para si. Anquises não foi capaz, então ele foi atingido pelo raio de Zeus que o cegou. E ele não foi capaz de ver seu filho, Enéias, fundar o poderoso Império Romano.

O troiano Paris foi o terceiro e último mortal que foi abençoado por ver Afrodite nua. Isso aconteceu quando ele foi encarregado de julgar quem das três deusas – Afrodite, Hera e Atena – era a mais bela. Afrodite prometeu a Paris o amor da mulher mais bonita do mundo se ele a escolhesse, então, naturalmente, ele o fez. Afrodite garantiu que Helena, a rainha espartana se apaixonasse por ele, um evento que acabou desencadeando a Guerra de Tróia.

— — —

Fotos: Pinterest e arquivo pessoal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.