Cronista da vida, das coisas e do mundo. Lifestyle, um pouco de tudo.

Livros

Mitologia #4: Poseidon (Netuno)

Quarto post sobre mitologia, seguindo a sequência das postagens do Instagram – hoje sobre Poseidon (Netuno, Deus do mar e das águas)!

Poseidon para os gregos, Netuno para os romanos: o Deus que dominava os mares recebeu em sua homenagem um dos templos de localização mais incrível que já visitei na Grécia. Estou falando do templo em Cape Sounion, distante cerca de 70 km da capital Atenas (para saber mais sobre este local, acesse aqui).

E por ser o comandante das águas, é a figura mais comumente retratada em fontes, como a Fontana di Trevi em Roma. E como na Fontana di Nettuno em Bolonha, quase indecente eu diria, porém replicada até na Bélgica. E tem também a belíssima Fontana del Nettuno em Trento, entre outras tantas que já tropecei por aí. Uma circulada pelo mundo e tenho certeza de que você consegue reconhecer a figura, pois ele é amplamente replicado. Então, vamos ao mito desse que é um dos principais deuses do Olimpo.

— — —

Mitologia #4: Poseidon (Netuno)

Poseidon é o violento e mal-humorado deus do mar. Um dos deuses olímpicos, ele também era temido como o provocador de terremotos e adorado como o criador do cavalo. Uma divindade de sangue quente, teve muitas disputas com deuses e homens, principalmente com Atena e Odisseu.

O nome de Poseidon é muito antigo e seu significado se perdeu para nós. Vários autores tentaram traduzi-lo como “marido da terra” ou “senhor das águas”. Platão diz que significa “conhecedor de muitas coisas”, mas isso é muito menos provável.

Poseidon é hoje conhecido exclusivamente como um deus do mar, mas nos tempos antigos, ele pode ter sido o deus da terra e da fertilidade ou mesmo o deus supremo do céu. Na verdade, nas representações, ele se parece muito com Zeus, seu irmão: um homem distinto e barbudo, com cabelos crespos densos e olhos penetrantes. Homero diz que seu grito era tão alto quanto o de dez mil homens juntos.

Frequentemente, ele é retratado cavalgando uma carruagem de quatro cavalos e empunhando um tridente sobre as ondas. O tridente é seu emblema mais reconhecível, embora seu filho, Tritão, também carregue um. Diz-se que Poseidon atingiu uma rocha com seu tridente para criar o primeiro cavalo, Skyphios. Durante a Gigantomaquia, o deus usou o tridente para quebrar um pedaço da ilha de Kos, sob a qual ele posteriormente sepultou o Gigante Polibotes. Esta peça tornou-se a ilha de Nisyros de hoje.

Como Poseidon tinha múltiplos poderes, os antigos gregos inventaram vários epítetos para descrever suas manifestações e orar a ele. Para alguns, ele foi o “Salvador dos Marinheiros”, para outros, o “Evitador de Terremotos”. Ainda um terceiro grupo o venerou como “O Criador e Domador de Cavalos” e para um quarto ele era “O Líder das Ninfas”.

Família de Poseidon

Poseidon era o segundo filho de Cronos e Reia (depois de Hades) e seu penúltimo filho (antes de Zeus). Héstia, Demeter e Hera eram suas irmãs.

Como todos os seus irmãos, exceto Zeus, Poseidon foi engolido por Cronos no nascimento e, graças a Zeus, depois foi vomitado mas saiu ileso. No entanto, alguns dizem que Reia conseguiu esconder Poseidon da raiva de seu pai escondendo-o em um rebanho de cordeiros em Arcádia ou Rodes, onde teria sido criado pela filha de Oceanus, Capheira e os Telchines. E por isso, teria se tornado o Deus do Mar.

Alguns dos conflitos mais conhecidos de Poseidon

Poseidon tinha um temperamento muito violento e impulsivo, e não suportava o comportamento arrogante de Zeus como governante. Em um determinado momento, juntou-se a Hera e Atena para ensinar uma lição ao Deus dos Deuses. No entanto, com a ajuda de Thetis e Briareus, Zeus conseguiu superar seus adversários.

Como punição, Zeus ele enviou Poseidon e Apolo (que havia defendido o Deus dos Mares) para servir ao rei troiano Laomedon, para quem eles construíram as vastas e belas muralhas que cercam Tróia. No entanto, quando chegou a hora, Laomedon recusou-se a pagá-los. Como resultado, Poseidon – mesmo contra o conselho de Zeus – lutou no lado grego durante a guerra de Tróia, enviando um monstro marinho chamado Cetus para atormentar os troianos.

Narcisista que era, Poseidon destruiu as fortificações construídas pelos gregos, acreditando firmemente que suas paredes são os únicos edifícios do tipo que valem a pena permanecer. E, furioso com ele por ter cegado seu filho Polifemo, ele teve uma rivalidade de uma década com um dos maiores heróis gregos: Odisseu.

O deus do mar também era ganancioso – especialmente quando se tratava de reinos terrestres. Certa vez, ele quis obter Atenas da deusa Atena, alegando que a cidade se beneficiaria muito mais com ele do que com ela. Para provar isso, ele atingiu seu tridente em uma rocha, criando um riacho de água do mar que jorrou no Templo de Erecteion, no lado norte da Acrópole. Atena, por sua vez, plantou uma oliveira. Cecrops, o primeiro rei de Atenas, decidiu que o presente de Atena era mais útil, pois dava frutas, madeira e óleo. Atena manteve-se como patrona da cidade e, desde então, o ramo de oliveira é um símbolo universal de paz.

Mulheres e filhos de Poseidon

Assim como Zeus, Poseidon tinha mulheres como seu ponto fraco. Como não era muito conhecido como alguém sutil, geralmente agia com violência e astúcia para conquistar as mulheres que desejava. Por exemplo, ele tomou à força Ceneus e Medusa, que depois foi transformada em uma besta por Atena como punição por permitir isso. Depois que Perseu decapitou o monstro que estava grávida, Medusa deu à luz a dois dos filhos de Poseidon: Crisaor e Pégaso.

Para enganar Deméter que se transformou em égua para rejeitar as investidas de Poseidon, o deus se transformou em um garanhão. Posteriormente, Deméter deu à luz a ninfa Despoena e o cavalo falante Arion. Com Amymone, o deus gerou Nauplius; com Aethra, o herói divino Teseu. A lista continua e inclui centenas de cônjuges e pelo menos o mesmo número de filhos.

Anfitrite, uma nereida, foi a esposa fiel de Poseidon o tempo todo. Ela não queria isso no início. Na verdade, ela fugiu para as Montanhas Atlas para escapar do deus do mar. No entanto, Poseidon enviou Delphinus para conquistá-la. O Delphinus com sua língua de mel fez o trabalho com louvor. Em agradecimento, Poseidon criou a constelação Delphinus (Golfinho). Anfitrite deu à luz três filhos de Poseidon: Triton, Rhode e Benthesikyme.

Poseidon (mitologia grega) é conhecido como Netuno na mitologia romana.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.