Cronista da vida, das coisas e do mundo. Cultura, moda e arte.

Geral

Febril

“…A fina veste que encobre teu seio, não sente as palpitações de teu coração, é apenas uma cisma provocante dos teus desejos e jamais verá as cicatrizes em teu peito febril e arfante de dor e de amor!

Não, nenhuma reles fibra de tecido, e nem o mais sábio dos homens têm a capacidade de interpretar a inconstância de um coração feminino, apaixonado, quase doentio, sim, pois o que é o amor se não uma doença sem cura?”

Janina Stasiak – sem data, sem rumo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.