Crônicas, lifestyle, armário-cápsula, nerdices e vida na Bélgica.

Geral

Falta pouco

Quase lá, em todos os sentidos. Peraí, tem um que estou lá faz tempo. Provavelmente é o meu deleite, coisa única. Confesso, o verdadeiro e único amor da minha vida.

Logo Ele estará quites comigo…se bem que não, ainda falta muita coisa a ser conquistada. Para algumas tenho pressa, para outras, nem tanto. É inimiga da perfeição, sabe?

O que me mata é a falta de agilidade de alguns. Sim, sempre quero tudo para ontem. Que mal há nisso? Mal nenhum, os outros que se danem. De tanto ser devagar é que muitos ficam para trás. Posso não ser sempre a primeira – não gosto de holofotes – mas jamais serei a última. Se algum dia perder o jogo, quero revanche.

E tira esse olho gordo de cima de mim que meu anjo é muito mais forte do que a tua inveja possa supor. Eu fora, porque estou quase lá, faltando pouco. Enquanto isso, faço de conta que sou como os outros, para não chamar a atenção. Como?

Veja isso:

“Éramos um monte de existentes incomodados, embaraçados conosco mesmos; não tínhamos a menor razão para estar ali, nem uns nem outros; cada existente confuso, vagamente inquieto, sentia-se a mais em relação aos outros. A mais: era a única relação que eu pudera estabelecer entre essas árvores, essas grandes, esse calhaus. ( … ) E eu – mole, enlanguescido, obsceno, digerindo, balançando mornos pensamentos – eu também estava a mais (*).”

Então, por hora estou a mais. Mas falta pouco, muito pouco. Me aguardem.

Janina Stasiak, 03/10/2007

* Jean-Paul Sartre, La Nausée.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.