Cronista da vida, das coisas e do mundo. Cultura, moda e arte.

Estilo, Geral

COVID-19 – momento para rever consumo de moda

Após pandemia, nossos hábitos de consumo de moda certamente vão mudar e aqui seguem algumas sugestões para superarmos a crise!

Blazer vintage Ann Demeleumeester, comprado em brechó – uma das ações indicadas para quem quer consumir moda de forma consciente.

O cenário não parece muito animador. O COVID-19 irá embora – e espero que logo – mas não sem deixar o mundo em crise. Vários setores da cadeia produtiva global já somam perdas astronômicas, e a moda, por não ser essencial, é um deles.

Por mais difícil que seja manter-se otimista, é importante pensar no futuro – até para a nossa própria sanidade mental. E neste futuro próximo, apesar do caos de agora, vamos precisar continuar usando roupas. Afinal, um mundo em crise não pode existir sem o mínimo de civilidade.

Mas certos hábitos precisam mudar, principalmente a forma como consumimos moda. Há anos observamos esforços até o momento tímidos, em se tratando de relações de compra de roupas. O que antes era um esforço individual ou de algumas empresas, agora será um movimento das massas.

Tenho falado aqui de várias ações para quem como eu quer consumir moda de forma mais consciente. Lillian Pacce também falou sobre Consumo e estilo consciente em um dos seus vídeos pré-pandemia. Mas na prática, o que você pode fazer para consumir menos e melhor, ainda mais nesse período de crise (que certamente vai afetar todos nós)?

Para ajudar, segue uma lista explicada de como consumir moda sem afetar o planeta, colaborando com a economia geral e até mesmo, com o seu próprio bolso.

Como consumir moda de forma consciente com a crise

Para entender melhor o cenário que está se desenhando no pós-pandemia (desejando que esse pós esteja logo ali), mais do que nunca é preciso se reinventar! E por isso, seguem alternativas viáveis para consumir moda de uma forma mais consciente e econômica. Com exemplos e dicas!

  • Compre dos pequenos empreendedores

A crise gerada pela pandemia, vai afetar todos nós, mas para uma empresa grande, as chances de recuperação são muito maiores. Já para os pequenos, a coisa muda de figura. Investir em pequenas marcas é pensar no coletivo, e ajuda no desenvolvimento local e regional.

E uma iniciativa bem legal que surgiu com essa crise foi a do perfil no Instagram @eucomprodopequeno – que tem compartilhado diariamente marcas de pequenos empreendedores. Mas isso é só um exemplo de que quando você quiser/precisar consumir moda, lembre de buscar por pequenos empreendedores mais próximos de vocês.

— — —

  • Opte por roupas usadas

Já comentei aqui neste post sobre o fato de que comprar roupas usadas é a nova tendência de consumo. E isso se intensificou muito desde que escrevi este post, lá em agosto de 2017. É impressionante como de lá para cá vi surgirem brechós – físicos e virtuais – e como pelo menos por aqui, vejo que as pessoas estão comprando cada vez mais roupas de segunda mão.

Jaqueta de couro usada Helmut Lang que comprei no Vestiaire Collective.

Para citar duas iniciativas lindas nesse quesito (e ver como você pode andar na moda, sem comprar roupa 0 km): @reusebrecho e @highvoltage_ . O que se diz por aqui é que o usado é a nova roupa nova.

— — —

  • Invista em sustentabilidade

Para ser mais sustentável, é preciso consumir de forma mais racional, investindo em marcas que reaproveitem materiais. Marcas que se preocupam com o meio ambiente, pois a indústria da moda é uma das que mais polui no mundo todo. E que se ocupem mais com qualidade das peças produzidas do que com quantidade.

E tem muita marca brasileira se movendo neste sentido. Aqui nesta lista tem uma relação de marcas bem legais, mas também recomendo a Apoena Bolsas. A marca desenvolve um trabalho lindo com palha de butiá, coletando sua matéria prima principal de forma sustentável e sem prejuízo do meio ambiente. Saiba mais aqui e no site oficial: https://www.apoenabolsas.com/

— — —

  • Na dúvida, use básicos

Em momento de crise, ao invés de comprar peças tendência, é mais inteligente investir em básicos de qualidade. Roupas básicas são geralmente atemporais, e para isso basta definir o que seria o seu guarda-roupa essencial. Peças de boa qualidade duram anos e são perfeitas para combinar com outras peças em destaque.

Aqui tem uma lista de roupas básicas caso você queira estruturar a base do seu guarda-roupa e não sabe por onde começar. E para incentivar o mercado de básicos de qualidade (e fabricados de forma sustentável), criei o Instagram J.U.S.T. Basics (@j.u.s.t.basics). Siga para conhecer iniciativas que invistam em peças conscious made.

Logo mais volto aqui para falar sobre esse assunto. Mas já adianto que a partir de agora vou falar muito mais sobre básicos e menos sobre tendências!

— — —

  • Recicle

Outro movimento muito forte dentro do consumo consciente de moda é o upcycling – que acima chamei de reciclagem para deixar mais óbvio. A ideia é reaproveitar roupas velhas para fazer novas peças, e assim também poupar o meio ambiente.

Eu cresci em uma realidade onde sempre vesti roupas feitas a partir de peças antigas – tanto que usei até que não me servissem mais dois blazer’s que eram, em sua primeira vida, paletós do meu pai. Até hoje fico impressionada com o tanto que os tecidos de antigamente duravam mais dos que conhecemos hoje em dia! Pena que não tenho fotos dessas roupas (sou quarentona gente, não esqueçam disso).

E também me assusto com a quantidade de lixo que produzimos ao consumir roupas baratas e que duram poucas lavadas. E foi pensando nesse aspecto que há algum tempo atrás comecei o projeto DIY, de reciclar roupas e transformar em peças novas.

Apesar de não postar nada desse projeto já tem um tempo – o último post está aqui – não desisti dele. Apenas preciso fazer as pazes com a minha máquina de costura. Mas fica como dica para quem quiser consumir menos e gerar menos lixo. Caso não tenha habilidade e disposição para tal, considere doar ou vender suas roupas usadas!

Jaqueta personalizada, um dos meus projetos DIY.

— — —

  • Projetos para consumir menos e melhor

Aqui entramos em um dos calos de quem se interessa por moda e não resiste a uma fast fashion ou liquidação! Quando fiz armário-cápsula – confira todos os posts aqui – foi justamente para comprar menos e sanar vários problemas como “guara-roupa lotado, mas não tem o que vestir”.

Se você tem a consciência de que tem muitas roupas, quer gastar menos com isso, quer se vestir melhor, quer definir o estilo…apostar em um projetinho destes pode te ajudar muito a economizar. Além do armário-cápsula, aqui neste post falo sobre outros tipos de projeto nesse sentido.

Atualmente no Diário de Estilo tenho trabalhado para consumir apenas aquilo que realmente se encaixa no que gosto/preciso/vale a pena. Se a ideia é buscar um consumo mais racional, talvez este seja o momento ideal para colocar em prática um armário-cápsula ou qualquer coisa do tipo.

Livro The Curated Closet, que estou usando como base para o projeto Diário de Estilo.

— — —

3 thoughts on “COVID-19 – momento para rever consumo de moda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.