Cronista da vida, das coisas e do mundo. Cultura, moda e arte.

Música

Como a Madonna

Cara-de-pau que sou, ouso dizer que se tivesse que escolher ser outra pessoa, eu queria ser a Madonna. Não estou fazendo comparação ou equiparação, apenas uma suposição de um provável destino.

Não existe nada de absurdo em admirar uma mulher como ela. E são raras. Madona tem talento não somente para a música, mas para reinventar-se e, ao contrário da grande massa universal, tornar-se uma pessoa cada vez melhor. De musa passou a Diva, e fica cada dia mais linda.

Se fosse ela cortaria em flash-back a sombrabcelha escura que só recentemente ela resolveu clarear, para combinar com as madeixas loiras que lhe caem tão bem e os beijos e carícias em garotas já que, nada contra, mas não sou disso.

Não admiro a madona simplesmente por ela ter talento musical e ser uma mulher de 50 (completados amanhã!) com corpo de deixar no chinelo muitas adolescentes que conheço, mas principalmente pelo fato de que ela é um caso raro de “estrela” que jamais deixou de brilhar. E que tem grande potencial administrativo/empreendedor para encher cada vez mais sua conta bancária.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.