Crônicas, lifestyle, armário-cápsula, nerdices e vida na Bélgica.

Livros

Baudelaire, o poeta francês que não gostava dos belgas

Você sabia que Baudelaire odiava os belgas? Conheça um pouco da relação do poeta francês com a Bélgica!

Tradução: “Todos os belgas, sem exceção, tem o crânio vazio.”

Boa parte da vida na Bélgica é conhecer a história do país, entender como as coisas funcionam, conhecer os costumes, adaptar-se e, principalmente no meu caso, observar para conhecer melhor os belgas. Sempre comento que me admira muito é o senso de humor deles, mas nem todo mundo é ou sempre foi fã dos locais. Que o diga o poeta francês Charles Baudelaire!

Bem pelo contrário – Baudelaire odiava os belgas! Ele viveu em Bruxelas por pouco mais de dois anos antes de sua morte, mudando-se para a capital da Bélgica em abril de 1864. Ele estava endividado e veio viver no país vizinho para realizar uma turnê de palestras que não foi muito bem recebida. Ampliou assim a amizade com o escritor Victor Hugo que aqui vivia como exilado voluntário, e passou a cultivar um imenso desgosto pelos nativos.

Hotel onde Baudelaire residiu em Bruxelas, e que não existe mais.

Foi em 2017 que, Charles Baudelaire, autor do icônico Flores do Mal, ganhou uma exposição em Bruxelas, onde seu ódio pelos belgas foi, digamos assim, exposto. O autor que agradecia a Deus por ter nascido francês e não belga, expressou seu sentimentos em um manuscrito intitulado Poor Belgium (que ficou conhecido também como Undressed Belgium).

Propaganda da exposição que explorou a “belgofobia” de Charles Baudelaire.

Nestes manuscritos, Baudelaire evocou sua fúria em sentenças que demonstram claramente o seu desgosto pelos costumes dos belgas, pela preferência por cerveja artesanal e também o aspecto físico das mulheres belgas. A exposição que durou apenas seis meses recebeu o nome de Baudelaire versus Bruxelas.

Origem da “Belgofobia” de Baudelaire

Acredita-se que os fracassos ocorridos na vida do poeta francês durante o período em que viveu na Bélgica tenha desencadeado o sentimento que ele desenvolveu em relação aos belgas. Essa manifestação virulenta, porém, não foi conhecida em vida, uma vez que o manuscrito foi publicado após a sua morte (que ocorreu um ano após ele deixar este país e voltar para a França).

Algumas observações do residente amargurado:

  • “As mulheres caminham com os pés dentro. Grandes pés chatos, braços grandes, grandes gargantas e grandes panturrilhas das mulheres, uma força pantanosa”, escreve ele sobre os habitantes de Bruxelas. “Todos os belgas, sem exceção, têm crânios vazios”, segue o poeta.
  • “Impressões iniciais. Dizem que toda cidade, todo país tem seu cheiro. Dizem que Paris cheira ou costumava cheirar a repolho azedo. Cape Town cheira a ovelha. Existem ilhas tropicais com cheiro de rosas, almíscar ou óleo de coco. A Rússia cheira a couro. Lyon cheira a carvão. O Oriente geralmente cheira a almíscar e cadáveres. Bruxelas cheira a sabão preto. Os quartos do hotel cheiram a sabão preto. As camas cheiram a sabão preto. Os guardanapos cheiram a sabão preto. As calçadas cheiram a sabão preto. “
  • “Assim como Joubert deu graças a Deus por torná-lo homem e não mulher, você também o agradecerá por ter criado você não belga, mas francês.”
  • “Juntamente com o mito da liberdade belga e da limpeza belga, vamos colocar o mito de quão barato é viver na Bélgica. Bruxelas muito mais alto que Paris; razões para isso. O sotaque barulhento local, atroz; a falta de jeito generalizada; o assobio (descreva), uma característica nacional; os cachorros latindo o tempo todo.”
  • “A maneira ridícula com que os belgas avançam. Eles avançam olhando por cima dos ombros, esbarrando sem parar nas coisas.”
  • “Uma quantidade incrível de corcundas.”
  • “Fisionomia típica comparável à das ovelhas ou carneiros. Sorri impossível por causa da recalcitrância dos músculos e do conjunto dos dentes e mandíbulas.”
  • “Seios monstruosos geralmente se desenvolvem bastante precocemente, inchando como pântanos devido à umidade do clima e à gula das mulheres.”O cheiro das mulheres. Anedotas.”
Charles Baudelaire

Não encontrei esse manuscrito disponível para compra no Brasil, apenas uma edição em espanhol disponível para compra em um site português que você pode conferir aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.