Cronista da vida, das coisas e do mundo. Cultura, moda e arte.

Filmes

A cor do céu na hora em que partires

Hoje fiquei em dúvida se sou uma pessoa altamente sensível ou facilmente impressionável. Fazendo o que não devia num momento em que tenho várias coisas para fazer, na frente da TV me deparei com a exibição de um filme que ainda não tinha visto, e não consegui me desligar antes que terminasse. Tentava fugir da frente da TV, mas estava presa em uma história que realmente mexeu comigo.

Assitia Vanilla Sky, e pela primeira vez gostei de uma atuação de Mister Tom Cruise. Mas é claro que não foi isso que me fez não parar de ver o filme, e sim o seu enredo, de uma complexidade impressionante, pelo menos para mim. E fiquei um pouco torpe com a profusão de sensações que nem eram minhas que passei a sentir.

Passei a teorizar sobre cores do céu, como se seu colorido pudesse ter sempre nomes de coisas comestíveis. Azul cor de algodão doce é a cor que o céu tem em dias ensolarados e limpos de inverno. O céu do Cruise no dito filme, que ele escolheu para seu momento derradeiro, tinha cor de baunilha. Mas os dias melancólicos que nos fazem perder o sorriso não tem cor de comida, porque são cinzas. Ou por acaso você come a lama arenosa das ruas de Porto Alegre, que também é cinza?

No dia em que eu partir, se puder escolher, quero que o céu esteja cor de tangerina, como neste lindo pôr do sol que só o Guaíba tem.

Janina Stasiak, 06/07/2008 – 19h16

One thought on “A cor do céu na hora em que partires

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.