Crônicas, lifestyle, armário-cápsula, nerdices e vida na Bélgica.

Geral

Ninguém nasce louco

Adoro quando o tempo fica nublado, ventando, anunciando temporal e notícias. Fico com o coração aos pulos, com a sensação ininterrupta de que alguma coisa vai acontecer. E aconteceu. Meu tio morreu na noite passada. E eu estou à mais de quinhentos quilômetros impedida de dar um forte abraço de saudade e pesar no meu querido primo Cassiano. Meu tio já viveu longos anos, mas a filha do vice-governador que também faleceu esta madrugada não. Um poste no caminho da direção que ela perdeu o controle, tirou a vida de uma jovem de 18 anos que teria ainda muita coisa para viver.

Pois nestes dias nublados a observação também fica aguçada. O vento revoltoso ensaia redemoinhos e agita os trapos que vestem sujamente os pedintes. Eu os vejo diariamente nos arredores de minha casa, mas na esquina da 24 de outubro com a Ramiro Barcelos era algo novo. Vai ver era por isso que pela primeira vez também avistei um PM naquela esquina movimentada.

Mas o mais curioso que vi no meio deste tempo estranho, foi um senhor que aparentava uns 60 anos, vestindo jeans, camisa, carregando uma pasta de couro. Parado, não representava nenhum sinal de insanidade. Mas foi vê-lo caminhando, e a cada dois passos parando e falando sozinho, colocando a mão na cabeça e mal se equilibrando nas pernas que concluí: ninguém nasce louco, é o tempo que vira a cabeça das pessoas.

Janina Stasiak – Porto Alegre, 01/02/2008 – 13h39

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.